Brasileiros terão que pagar taxa para entrar nos países da Europa

A Europa vai dificultar um pouco o acesso dos turistas que não precisam de visto, como os brasileiros. Brasileiros e outros turistas que não precisam de visto para entrar na Europa vão precisar pagar uma taxa de € 7 (aproximadamente R$ 30) para visitar o continente.

Pelo menos é isso que está previsto no Sistema Europeu de Informação e Autorização de Viagem (Etias, na sigla em inglês), aprovado na última quarta-feira (25) em um acordo entre a Comissão Europeia e o Parlamento, em Bruxelas.

A iniciativa é uma forma de exercer maior controle sobre as informações de quem entra no continente. Trata-se de uma reação à onda de ataque terroristas que vem assolando os países da União Europeia nos últimos anos. De acordo com Valentin Radev, atual presidente do Conselho Europeu, “o acordo é mais um importante passo na proteção das fronteiras externas da União Europeia. Sabendo quem está vindo à UE antes que as pessoas cheguem às fronteiras estaremos mais aptos a parar aqueles que possam apresentar riscos aos nossos cidadãos”, disse ao jornal inglês Independent.

Ela ainda precisa do aval do plenário do Parlamento Europeu e não tem data para entrar em vigor. Em estudo desde 2015, quando ocorreram os atentados de Paris, o Etias pretende ampliar a segurança e a capacidade de identificar quem viaja por companhias aéreas para a Europa. O sistema é idêntico ao americano (Esta), que ficha todos os passageiros que ingressam no país.

Pelo projeto, a cada viagem os brasileiros, por exemplo, terão de entrar em um site a ser criado para o Etias, preencher um formulário eletrônico e pagar uma taxa de 7 euros. Esse cadastro continuará a dispensar a necessidade de um visto. Brasileiros continuarão a ter o direito de ingressar e permanecer até três meses viajando por países do Espaço Schengen.

“Precisamos saber quem está cruzando nossas fronteiras. Este novo sistema, quando estiver em operação, realizará uma triagem pré-viagem para os riscos de segurança e migração dos viajantes que se beneficiam do acesso sem visto ao espaço Schengen. Ao cruzar os viajantes isentos de visto com os nossos sistemas de informação para fronteiras, segurança e migração, o ETIAS irá ajudar-nos a identificar qualquer pessoa que possa representar um risco de segurança ou migração antes mesmo de chegar à fronteira da UE”, afirmou o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans.

Segundo ele, o processo para os viajantes obterem uma autorização será “acessível, simples e rápido” e beneficiará os visitantes que não oferecem risco ao continente: “O ETIAS também nos ajudará a fortalecer e salvaguardar a mobilidade para viajantes sem visto que não apresentem riscos, ao mesmo tempo que identificam quem o faz”.

A mesma exigência também vai valer para países europeus que não fazem parte da UE, mas estão dentro da chamada “zona Schengen”. Alguns desses países são a Noruega, a Islândia e a Dinamarca. Todos os dados inseridos nesses formulários de autorização serão verificados. Os responsáveis por essa checagem serão a polícia europeia e a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol).

Só depois do pagamento desse valor e de toda a verificação é que o turista será autorizado a entrar na Europa. A autorização será válida por três anos ou até a data de expiração do passaporte do postulante, o que acontecer primeiro. Mesmo com a nova cobrança, os turistas brasileiros continuarão livres da exigência de visto para permanências de até três meses no espaço europeu.

 

Deixe o seu comentário

Posts Relacionados