O Valle Sagrado – Viagem ao Peru – Lima, Cusco, Machu Picchu

 A Emperatriz, quem havia agenciado nosso passeio pelo Valle Sagrado, chegou pontualmente às 8:10 e, logicamente, não estavamos prontos, pois ainda tinhamos que separar uma mochila para passar a noite em Àguas Calientes (cidade mais proxima a Machu Picchu).

O tour pelo Valle Sagrado é exatamente o mesmo em todas as operadoras de turismo local. A única diferenca é o guia, que no nosso caso adorava o sistema entrar-olhar-fotografar-zarpar, mas conseguimos ter um excelente dia por lá.

O tour consiste em três cidades importantes da região do Valle Sagrado: Pisaq, Urubamba e Ollantaytambo. Como hoje era domingo, tivemos sorte de pegar a tradicional feira de Pisaq (cidade que vive basicamente de artesanatos. Nos deram a dica de comprar souveniers por lá, pois tanto em Cuzco como Machu Picchu nao sao dos lugares mais baratos, mas achamos os preços salgados e não levamos nada. Para comprar souveniers e artesanato de qualidade recomendo fazer-lo em Chinchero.

Os sitios arqueológicos são belíssimos e muito bem preservados. Antes de chegarmos a Ollantaytambo, fizemos a parada para o almoço típico em um buffet de comida peruana, onde um nativo flautista disseminava a harmonia através dos sons de sua flauta.
O que voce precisa saber antes de mais nada é que Inca, na língua nativa, quer dizer “rei” e na realidade houveram apenas 15 Incas durante todo o império, que se estendeu do sul da Colombia ao norte da Argentina!

Ollantaytambo

Ollantaytambo é considerada uma das principais cidades do Valle Sagrado. Foi la que Ollantay – um Inca, construiu sua cidade principal.
Todas as cidades Incas são caracterizadas por três “sitios” diferentes: o primeiro é a zona religiosa, onde normalmente um templo e um altar eram utilizados para cultuar o Astro Rei. A segunda zona é a agrícola onde vemos aqueles “degraus” nos morros feitos para o cultivo de raizes e grãos. E a última zona é a de convivência, ou residencial, onde os habitantes – chamados de Quechua (sim! A mesma marca das barracas e mochilas da Decathlon 😀 ) – viviam.
O que mais me impressionou aqui, foi como os Incas conseguiam transportar as pedras, que chegavam a pesar 9 toneladas, por quase 8 km de distância, e sem utilizar qualquer cimento ou forma de rejunte conseguiam construir suas enormes cidades, templos e Império.
De Ollantaytambo (“Tambo” quer dizer local ou cidade) tomamos um trem até a cidade de Águas Calientes, onde passaríamos a noite para as 5 da manhã partir para o tão sonhado destino: Machu Picchu.

Plaza de Armas de Aguas Calientes

   A cidade é relativamente pequena, com cerca de mil habitantes e vive basicamente dos turístas que peregrinam à Machu Picchu. Aqui a Plaza de Armas estava fervendo em pleno domingo a noite, com bandas peruanas tocando os ritmos locais flauteados e usando seus trajes cheios de “colores”.

Restaurante MARU que eu NAO recomendo!

Fomos jantar em um restaurante nesta praça que pareceu convidativo, e apesar da excelente comida, quiseram cobrar mais de duas vezes os valos dos pratos e bebidas, além de uma taxa de serviço de quase 30%. Em todos os lugares do Peru, não existe muito preço fixo, e reforço, novamente, o que falei no post anterior: atenção com o jeitinho Peruano!
Voltamos para o hotel e compramos água (muita água) , pois em Machu Picchu não existe onde comprar água ou mesmo comida, então esta é a dica número um pra quem vai conhecer a cidade perdida. Busquei uma farmácia 24 horas, mas ela estava fechada! Pois é, também não entendi! rsrsr

Com tudo certo, hora de partir!!!!

Lembrando que toda vez que você reserva seu hotel, contrata o seguro viagem, compra um chip de celular, alugar um carro, garante os tickets para passeios e compra suas passagens aéreas pelos links aqui do blog, você estará me ajudando que todo conteúdo desse blog continue sendo  gratuito e que eu possa continuar levando esse projeto a todos os viajantes!

Aproveita e se inscreve no meu canal do Youtube e no meu Instagram para ficar sabendo de mais dicas e novidades sobre viagens além de reviews de companhias aéreas.

Por Lucas Estevam

Deixe o seu comentário

Posts Relacionados