Desbravando o espírito da África – Sobre o licor Amarula

cream-image-left

O licor Amarula é conhecido mundialmente por sua cremosidade e seu sabor exótico, com teor alcoólico de 17%.

Proveniente da árvore africana maruleira (Sclerocarya birrea), o fruto marula possui, quando maduro, pele amarela e polpa clara, além de ser rico em vitamina C. A colheita se dá no período de janeiro a março e, geralmente, reúne milhares de pessoas.

A bebida é preparada a partir da destilação da polpa fermentada do fruto e começou a ser comercializada  em 1989 pela indústria sul-africana Southern Liqueur Company of South Africa. Pode ser consumida pura, com gelo ou em complemento a outros alimentos, como café ou sorvete.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Em 2014, o licor ganhou sua terceira medalha de ouro, atribuída pela Wine and Spirit Competition Internacional (IWSC), em Londres, fazendo valer o slogan “The spirit of Africa” (“O espírito da África”) internacionalmente.

Da maruleira, nada se perde: o óleo dos grãos é utilizado como velas, a casca da fruta é usada para fazer chás ou fertilizantes, a casca do tronco produz uma tinta marrom-avermelhada, do interior do tronco se fazem cordas, a madeira e os galhos são utilizados na produção de objetos e as raízes, por armazenarem muita água, são colhidas na época da seca.

O elefante no rótulo do produto se explica pela predileção destes animais pela fruta marula. Além disso, desde 2002, a marca da bebida está envolvida num projeto chamado “The Amarula Elephant Research Programme”, responsável por monitorar estes animais na selva a fim de preservá-los.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Há diversas lendas acerca da árvore maruleira. Umas delas diz que a maruleira é a “árvore do casamento” e concede vigor e fertilidade àqueles que se casam embaixo de seus galhos; outra afirma que quando a mulher come o fruto marula, suas chances de engravidar aumentam e, através de uma preparação feita da árvore (feminina ou masculina), é possível escolher o sexo do bebê. Há uma terceira lenda que vai mais além e se baseia na crença de que, se o bebê nascer com o sexo diferente do que foi “programado”, ele tem poderes especiais.

Foto: divulgação
Foto: divulgação
Deixe o seu comentário

Posts Relacionados