Passeios e paisagens I: Explorando os arredores de Cork

A Irlanda é um país repleto de belos lugares para se visitar e explorar. Regiões montanhosas, penhascos, pastagens, bosques, baías, praias, ilhotas. Tudo muito diferente da exuberância da nossa natureza tropical, mas nem por isso menos belo que o nosso Brasil. Aliás, por isso mesmo, bastante curioso e exótico para nós. Em certas regiões o contraste do cinza das pedras com o verde dos campos pode até causar estranheza no primeiro momento, mas depois são de encher os olhos.

Típica vista dos campos irlandeses.

Eu sei que é clichê, mas é impossível não dizer que muitos lugares nos remetem mesmo aos cenários mágicos dos contos de fadas. Com direito a castelos medievais e bosques bucólicos. Sem falar nas estradinhas estreitas rodeadas por pastos verdes divididos por muretas de pedras e repletos de ovelhinhas e burricos. É quase um filme de princesa da Disney!

VAI VIAJAR? RESERVE SEU HOTEL PELO BLOG:

Você pode fazer a reserva pelo Booking.com ou diretamente neste link AQUI. Caso você use este link, me ajuda a continuar escrevendo o blog  e seguir ajudando pessoas a viajar o mundo com uma pequena comissão. Ah! E você não pagará nada a mais por isso. 🙂

Durante o ano que vivi em Cork, visitei alguns desses lugares dentro do próprio condado (sim, Cork é o nome da cidade, mas também do condado!). Alguns passeios eu fiz por conta própria pegando trem ou ônibus convencional. Outros através de excursões organizadas pela escola, e todos com a vantagem de não pesarem muito no bolso. E, claro, sempre com amigos, afinal, como se diz aqui na Bahia, de galera é sempre melhor!

Blarney Castle

A paisagem bucólica do Blarney Castle.

O passeio ao Blarney Castle foi o primeiro que fiz, quando eu tinha somente um mês de Irlanda. Trata-se de um castelo medieval erguido no ano de 1210 d.C. Ele é rodeado de jardins e bosques lindos! No topo do castelo fica a pedra da eloquência ou a Blarney Stone que, conforme reza a lenda, é capaz de dar o dom da eloquência àquele que a beija. E não pense que esta tarefa é fácil! Para beijar a tal pedra você precisa sentar-se e ficar de ponta a cabeça. Mas não se preocupe, pois há um senhorzinho muito simpático responsável por segurar os beijoqueiros. O mais difícil mesmo é subir os 100 degraus de escadas estreitas e irregulares que levam até o topo.

Blarney Stone: o beijo mais difícil da minha vida.

O passeio foi organizado pela escola – a Cork English World -, mas nada de ônibus fretado. Na verdade, havia um professor responsável por reunir os alunos interessados e acompanhar o grupo, fazendo todo o trajeto de transporte convencional. Na época, quem assumia esta divertida tarefa era o nosso querido professor Ken. Depois da aula, seguimos a pé para o ponto de ônibus nos arredores da estação central de ônibus de Cork e meia hora depois já estávamos em nosso destino. Blarney fica localizado a apenas oito quilômetros do centro.

Chegando lá, você compra o ingresso que custa 15 euricos e coloca sebo nas canelas para andar bastante. O castelo é apenas uma das muitas atrações para ver dentro do complexo, então, não dá pra ter preguiça. Explore o lugar!

Os ingressos também podem ser comprados online, clicando AQUI!

(Meus companheiros de passeio: Mari, Renata, Gerson, Serena ♥)

Fota Wildlife Park

A família de lêmures, aqueles fofinhos do filme Madagascar.

Este é mais um passeio que dá pra ser feito por conta própria (e sem gastar muito!). Foi mais um no qual tivemos o professor Ken como cicerone. O Fota é um grande parque habitado por espécies de plantas e animais, um zoológico sem jaulas. Os animais selvagens ficam em áreas cercadas, claro, mas com muito espaço. Já as espécies que não representam risco ficam soltas. Para evitar que visitantes inconvenientes tentem tocar nestes animais, há funcionários espalhados por todo o parque. Alguns grupos de animais chegam a ter um personal funcionário. É o caso dos lêmures, fofos e dóceis.

De galera é muito melhor!

Para chegar ao Fota, saindo de Cork, é muito fácil! Basta pegar o trem que sai da Kent Station. A viagem é rápida (mais ou menos 15 minutos) e há muitas opções de horários saindo diariamente. A passagem custa 7 euricos (ida e volta). Dá pra comprar na hora sem problemas! Mais informações AQUI.

Também é possível comprar tíquetes online para o Fota. A entrada para adultos custa 16 euricos, mas se você apresentar a carteira de estudante de sua escola paga apenas 11,50 euricos. Confere no SITE!

(Companheiros Mari, Nahee, Alessia, Renata, Gerson e Felipe ♥)

Cobh

Fazendo pose de foto de bandinha de rock na estação de trem de Cobh. 🙂

É uma linda cidadezinha portuária. Foi de lá que quase 2,5 milhões de irlandeses partiram para os Estados Unidos fugindo da “Grande Fome” no século passado. Além de ter sido a última parada do Titanic em 1912 antes de seguir para aquela viagem sem volta.

Também é muito fácil de chegar a Cobh (pronuncia-se ‘Cove’), tanto que desta vez fomos por conta própria e sem o professor Ken de guia. Na verdade, o mesmo trem que passa em Fota segue para Cobh. Embarcamos na estação central de Cork e 25 minutinhos depois já estávamos lá!

Do Kennedy Park avista-se a catedral no alto.

A primeira coisa que fizemos na chegada foi pegar um mapa da cidade e saímos para explorar. Sem roteiro ou programação pré-definida! Cobh tem um clima delicioso de cidade costeira, é colorida, limpa, florida. A nossa primeira parada para fotos foi no Kennedy Park, uma espécie de praça de frente para o mar com um coretinho, muitas flores e a escultura “The Navigator”, representado por um homem e seu barquinho de papel.

Depois seguimos para a parte mais alta da cidade, onde fica a St. Colman’s Catheral. Uma igreja de estilo neo-gótico, que começou a ser construída e 1868 e foi finalizada quase 50 anos depois. Nos arredores há ruazinhas e jardins lindos também! Encerramos o dia num bar de frente para o mar, aproveitando o sol e a brisa daquele final de tarde de verão.

Jardim nos arredores da Catedral.

As passagens de trem de Cork a Cobh custam 8,90 euricos (ida e volta). Como já disse, dá para comprar online, mas no guichê da estação também é tranquilo. Sem filas, nem confusão. Mais informações AQUI.

(Aos meus companheiros Mari, Nahee e Max ♥)

Kinsale

Impressionante e grandiosa estrutura do Charles Fort.

Mais uma pequena cidade portuária linda no condado de Cork, perfeita para um passeio num dia ensolarado de verão. Colorida, animada, pulsante! Desta vez, fui com o ônibus fretado pela escola de uma amiga, que de quebra ainda levou mais um amigo nosso, tudo com o consentimento da instituição, claro! (Thanks, Cork English College pelo patrocínio!)

Rochas na beira da praia e o vilarejo de Kinsale ao fundo.

A primeira parada foi no Charles Fort, considerado uma das maiores construções militares do país, ele foi erguido no século XVII e utilizado com fins militares até 1922. Ele impressiona tanto pela grandiosidade de sua estrutura, quanto pela bela vista para o mar. Depois seguimos para o centro da cidade, de onde caminhamos até a praia e fizemos um picnic enquanto alguns irlandeses se banhavam naquela água gélida. De volta ao centro, caminhamos pelas ruas movimentadas do vilarejo, pelas lojinhas e pubs e aproveitamos o pôr do sol.

Parada para um sorvete no colorido vilarejo de Kinsale.

Para quem não tiver patrocínio para fazer o passeio como nós tivemos, há uma linha de ônibus que sai de Cork para Kinsale. O valor é pouco mais de 30 euricos. Neste caso, as passagens são mais caras, pois se trata de um destino um pouco mais distante. Kinsale fica a 25 quilômetros de Cork. Mais informações AQUI.

(Rosana e Sandro do meu ♥)

Aguardem o texto Passeios e Paisagens II com dicas de lugares em outros condados do sul da Irlanda!

Até breve!

Posts Relacionados