TAIWAN, SER FELIZ FAZENDO VOCÊ FELIZ… COM BUBBLE TEA… 

O Viajante Gabriel Mascarenhas trancou o último semestre de Administração na USP e embarcou em 2012, aos 22 anos, em um intercâmbio da AIESEC para a longínqua Taipei, em Taiwan, para trabalhar com Comércio Exterior. 

Logo que chegou se encantou pela cultura do chá. Nós Viajantes o tempo todo provamos algo que não conseguimos mais ficar longe por muito tempo, esse espírito Wanderlust que nos une em desbravar esse mundão. 

Gabriel foi recebido por um Bubble Tea (Chá Com Bolhas), que leva pérolas de tapioca, chamadas de pobá, cozidas em uma antiga receita de melaço de açúcar mascavo, e que dão a felicidade e o prazer dessa bebida que de Taiwan vem conquistando o mundo. 

Londres se rendeu, e a bebida é encontrada facilmente na área do West End, Soho e Chinatown. Depois foi Nova York, e os Estados Unidos inteiro. Não parou por aí, conquistou Barcelona, Paris, e hoje toda cidade tem escondida alguma casa de Bubble Tea. 

No Brasil, a bebida que começou a ser introduzida pelos imigrantes taiwaneses no bairro da Liberdade em São Paulo, e que nos remete à bolinhas gigantes de sagu, é uma nova tendência cultural. 

Gabriel começou a perceber ainda em Taiwan, que haviam casas de chás por todos os lados, e que era parte essencial da cultura do país. Bebe-se após o jantar, e os nativos passam o dia com uma garrafa gigantesca da iguaria onde quer que estejam. 

De Taiwan foi estagiar na Índia, um país com cultura de chá, onde os indianos pausam para o chai, em um país onde chá é parte da sociedade, crenças e rituais. E ele encontrou Bubble Tea até na Índia. 

Sempre muito criativo, seus olhos e paladar passaram a procurar pelo melhor chá em muitas das cidades asiáticas que visitou.

E com a bagagem de ter morado em várias cidades do Brasil, Gabriel, natural da Bahia, morou em Recife, Goiânia e Maceió, até se mudar para São Carlos no interior de São Paulo, e por último se estabeleceu na Paulicéia que todos amamos. 

Estudou cases de todas essas cidades, e fundou o TeaHub no Shopping Higienópolis, em São Paulo. 

“Taiwan é um país super desenvolvido que a gente nem trata como um país, é uma cultura de sorrisos, onde o lema é Ser Feliz Fazendo Você Feliz.”

“Na Índia, não precisa de muito para ser feliz.”



Mascarenhas, hoje com 27 anos, enxerga a inovação de sua startup. Não é uma casa de chás ou de Bubble Tea, é um local de dividir sorrisos. 

Ele foi atrás dos melhores chás. Voltou para Taiwan negociar a exportação de matéria prima, visitou fazendas de pequenos produtores, e hoje conta com um leque do melhor sabor. São os melhores chás de Taiwan, China, Japão e Brasil. 

E a tendência é que em futuro bem próximo todo chá consumido no TeaHub venha de pequenos produtores da Ásia, assim como o sabor do chá, que a maioria das casas usam essências, mas ele foi atrás, e continuará indo atrás dos melhores fornecedores de frutas. Tem que ser natural, é uma experiência sensorial e sinestésica. 

“Ter um negócio é uma função muito maior do que gerar empregos. É um ideal pelo bem estar sociedade, colaboradores, e meio-ambiente.”

“O chá é muito mais do que uma bebida para os Taiwaneses. A conversa acontece em torno do chá. É um momento especial. 


Os brasileiros ainda estão descobrindo a cultura do chá. Gabriel antes de Taiwan, achava que a bebida não tinha gosto, e como nossos avós, associava chá à cura de doenças, sendo que o que mais consumimos no Brasil são infusões de ervas, e não chá. 

E o Bubble Tea abriu essa porta. 

Um Viajante Empreendedor que prova que tudo é possível. É só olhar sempre para o futuro e para o delicado sabor do chá e da vida. 

Fotos: Arquivo Pessoal 

Contribuiu: Thais Polimeni, do Cult Cultura 

Posts Relacionados