Onde se hospedar em Ilhabela? E dicas gerais

Talvez Ilhabela dispense apresentações. O próprio nome é um adjetivo que descreve bem essa ilha: Bela.

E é mesmo.

Cheguei aqui pela primeira vez em Dezembro (mês passado) para um par de dias logo depois que desembarquei em Santos de uma viagem de navio desde a Espanha. Por 3 dias não vi o sol, apesar do calor e ainda assim me apaixonei por esse lugar.

Eu quis voltar e no fim do mês aqui estava eu de volta. E como você deve ter percebido, “aqui” e não “lá” é palavra que estou usando. Embora tenha que ir embora na próxima semana, sei que a ilha vai deixar saudades.

Mas antes que eu me empolgue e comece a falar das praias, cachoeiras, matas, trilhas e agito da ilha vou direto ao ponto responder o título desse post.

O melhor lugar para se hospedar na ilha?

A casa da tia!

cachorros no sofá do airbnb

A Tia Gleice e os mascotes de sua casa

Sei que nem todo mundo tem a sorte de ter uma tia favorita morando nesse paraíso, mas a boa notícia é que a minha tia e minha prima estão dispostas a abrir as portas para você também!

Entre o Perequê e a vila, duas das localizações mais importantes da ilha, à dois quarteirões da praia, pelo airbnb você pode alugar duas suítes em um cantinho de sua casa, é só clicar aqui.

O preço é tão bom que o calendário está enchendo rapidamente e as referências dos hóspedes provam que isso não é apenas o sobrinho puxando sardinha para tia querida.

Mas caso o calendário esteja bloqueado para as suas datas, seguem as…

Dicas:

A Vila (o centro histórico) é a parte mais movimentada durante a noite e ali se encontram os restaurantes com as comidas mais gostosas (experimente o Cheiro Verde!). É aqui também que centenas de turistas desembarcam todos os dias vindo dos cruzeiros na alta temporada (Outubro à Março). A rua do meio é minha favorita e o Bar São Paulo capricha na música MPB ao vivo no meio da rua. Opções não faltam desde Samba (barraca do Samba) à Música Eletrônica (Creoula) ou no Estaleiro com músicas variadas durante a semana.

Perequê é a parte da ilha mais movimentada durante o dia, onde você acha praias bacanas e também movimento, compras, agito e esportes aquáticos como kite-surfing, stand up, kayak, e flyboard (meu sonho ainda não realizado, aqui nesse link tem mais info). Um café bacana para jogar conversa fora ou mesmo trabalhar se você for um nômade digital como eu é o Frutos de Gaia, de onde escrevo esse texto e onde se pode comer delícias orgânicas como açaí, panquecas integrais, tapiocas, fora as mais de 300 opções de granel orgânico no Empório ao lado.

As praias mais bonitas da ilha estão mais afastadas desses centros, tanto ao sul (como ilha da Cabra, Curral, Feiticeira, Julião) quanto ao norte (Armação, Pacuíba, Pinto e Jabaquara), ou seja, se quiser se hospedar perto de praias mais paradisíacas e não se importar de abrir mão para a conveniência de estar perto de restaurantes, lojas e agito, você pode buscar nessas regiões.

pacuiba

Pacuíba, uma das minhas praias preferidas na ilha

E antes que eu feche o computador para ir explorar mais uma cachoeira, se estiver animado tente ir ao outro lado da ilha para ver praias mais vazias, paradisíacas, mata atlântica preservada e mesmo cachoeiras ao longo do caminho. Uma delas é a praia Castelhanos (só se chega de jipe ou de barco) e a outra muito recomendada para os mais aventureiros é a praia do Bonete (acesso apenas por trilha à pé ou de barco). Assegure-se de trazer bastante repelente, porque você vai precisar com certeza! 😉

Vou postar aqui no instagram mais fotos da ilha, clique aqui se ainda ainda não segue o vagamundagem no instagram, ou aqui no facebook.

E se você ainda não conhece o airbnb, cadastre-se usando esse link para ganhar até R$400 para se hospedar ou alugar um espaço na sua casa. Mais sobre o airbnb nesse link no vagamundagem onde conto minha experiência em Bali, Indonésia.