Como chegar à Austrália

Na semana passada falei aqui sobre a minha experiência em uma casa de família maravilhosa na Austrália, onde passei cerca de 1 ano. Quando eu decidi que ia para lá e contava para as pessoas, as reações eram basicamente as mesmas: “Mas é do outro lado do mundo!! É muito longe!!”. De fato: é do outro lado do mundo e é muito longe – e talvez esse seja um dos charmes de ir para a Austrália. Por isso, decidi essa semana falar sobre as diversas formas de se atravessar o planeta e chegar até à terra dos cangurus! Na imagem que está logo aqui embaixo fiz um levantamento dos principais trajetos e vocês verão que há itinerários mais rápidos e práticos e outros beeeeeeem demorados e complicados.

Tabela Voos AUS

Na minha primeira viagem à Austrália eu estava decidido que iria com a Emirates. Eu nunca havia voado com a companhia e queria muito ter tanto a experiência de viajar com eles, quanto a de passar pelo aeroporto de Dubai. A Emirates opera com saídas diárias do Rio e de São Paulo para Dubai e de lá para grande parte do mundo! Pois bem, embarquei no Rio de Janeiro e cerca de 14 horas depois estava em Dubai pronto para passear pelo maior free-shop do mundo. De lá a empresa oferece conexões para Sidney, Melbourne, Brisbane e Perth. Dependendo do seu destino final você passará menos ou mais horas em conexão no Aeroporto de Dubai. Eu cheguei por volta das 23:00 e minha conexão era somente no dia seguinte às 10:00. São mais 14 longas horas de viagem até Sidney. Fiz essa escolha de propósito porque queria explorar o Aeroporto de Dubai e porque este voo era operado por um Airbus A380 (sim, sou desses!!). Havia um voo para Sydney algumas horas depois da minha chegada à Dubai, porém eu achei que seria pouco tempo de conexão e o voo era operado por um Boeing 777. De qualquer forma, o que importa é que a Emirates tem vários voos diários para a Austrália e você pode escolher ficar menos ou mais tempo em Dubai. Se quiser você pode, inclusive, passar alguns dias em Dubai. Eu fiz isso voltando da Austrália e fiquei 5 dias nos Emirados Árabes. Além de descansar e se preparar para o próximo voo você ainda conhece um lugar incrível!

Gold Coast 2013 - 053

É claro que não fiquei quase 12 hoGold Coast 2013 - 016ras andando pelo aeroporto! Me hospedei no Dubai International Hotel que fica dentro da área de trânsito do Terminal 3 e as suítes são ma-ra-vi-lho-sas! Dependendo da categoria que você reservar eles ainda te buscam quase dentro do avião. Enfim, as minhas experiências com a Emirates indo e voltando da Austrália sempre foram muito boas. É uma viagem cansativa (em torno de 30 horas), mas dificilmente esta empresa vai deixar a desejar nos serviços prestados. Eles são excelentes e o Aeroporto de Dubai também tem muito conforto.

Tive ainda a oportunidade de voar algumas vezes com a Etihad que tem um padrão de qualidade muito parecido com o da Emirates, porém ela opera somente saindo de São Paulo e a conexão é em Abu Dhabi, também nos Emirados Árabes. Em uma das ocasiões tive que passar a noite no Aeroporto de Abu Dhabi e decidi utilizar os serviços do Al Dhabi Lounge. Cheguei no lounge por volta das 23:30 e ainda estavam servindo o jantar. Aproveitei para comer um pouco e depois tomei aquele banho! Nada é mais revigorante do que um banho depois de 14 horas em um avião. Passei a noite em um dos sleeping pods que eles oferecem e deu para descansar bastante. De manhã tomei um belo café da manhã e segui viagem. Não me lembro exatamente quanto paguei, mas não era um valor muito absurdo! Vale muito à pena! O tempo total de viagem é basicamente o mesmo em relação aos voos da Emirates. Recomendo ambos os itinerários! São excelentes formas de se chegar à Austrália! Ah! Vale lembrar que se você for fazer somente a conexão nos Emirados, não há necessidade de visto. Porém, se você for curioso como eu e decidir ficar por lá alguns dias, você precisará solicitar um visto de turista que é feito por meio das próprias empresas aéreas.

Em janeiro deste ano eu voltei à Austrália para passar 3 semanas de férias e visitar os amigos que por lá deixei. Comprei a passagem com alguns meses de antecedência e resolvi optar pela opção mais barata que eu encontrasse. Pois bem, essa pode não ter sido a melhor ideia! Voei com a American Airlines do Rio para Miami e de lá para Los Angeles. Todos nós sabemos que a AA não é uma companhia aérea das mais bem avaliadas pelos viajantes. O serviço costuma ser um pouco complicado, principalmente nos voos que partem e chegam ao Brasil. O voo de Miami para Los Angeles, apesar de ser doméstico, dura 5 horas e parece interminável!!! Em termos de conexão, foram 3 horas em Miami e depois longas 12 horas em Los Angeles. Com toda a diferença de fuso horário, acabei chegando cedo em LA. O que eu fiz? Aluguei um carro e fui dar um rolé – fazia tempo que eu queria voltar a alguns lugares por ali. À noite embarquei em um voo da Qantas (em codeshare com a AA) para Sidney que me desapontou por mudar a aeronave em cima da hora! Havia planejado voar em um A380 e nos colocaram em um Boeing 747. Apesar disso, a Qantas é excelente! O serviço deles é muito bom mesmo! Recomendo esse trajeto somente se você não se importar de viajar por quase 2 dias (em média 44 horas), puder suportar o serviço ruim da American Airlines e estiver com o orçamento um pouco mais apertado para a viagem. Apesar de não me lembrar dos valores exatos, quando pesquisei essa opção estava bem mais barata do que as outras. Não esqueça que neste caso você precisará do visto americano, mesmo que você nem saia do aeroporto!

O trajeto mais rápido entre o Brasil e a Austrália é via Chile – muitas vezes é também o mais caro! Primeiramente, você precisará chegar até Santiago do Chile. O ideal é que você compre o trecho inteiro (até a Austrália) no mesmo bilhete aéreo e, neste caso, você possivelmente voará com a TAM ou com a LAN até o Chile. Caso você queira comprar esse trecho separadamente, além das duas anteriores, poderá optar ainda pela Gol ou pela Sky Airline (saindo somente de Guarulhos). Estando em Santiago há duas opções: a LAN possui um voo diário para Sidney, com escala relativamente rápida para desembarque e embarque de passageiros em Auckland, na Nova Zelândia; e a Qantas opera às segundas, quartas, sextas e sábados direto para Sidney.

Hoje, talvez eu optasse pelo voo da LAN, pois, além de ter saídas diárias, há alguns meses eles passaram a operar esta rota com o moderníssimo Boeing 787 Dreamliner. Já tive a oportunidade de voar nesta aeronave deles entre Santiago e São Paulo e ela é muito mais confortável que o B747 da Qantas. As janelas são maiores, há um melhor controle da umidade à bordo, muito menos ruído, maior estabilidade em caso de turbulência e maior espaço entre as poltronas. Em termos do serviço a LAN também não deixa nada a desejar. Dê uma olhada nas fotos aqui embaixo!!

IMG_2546IMG_2547

IMG_2548

Há ainda outras formas de se chegar à Austrália, como apresentei naquela tabela lá em cima: United Airlines, via Estados Unidos; South African Airways, via Johanesburgo; Qatar Airways, via Doha, são algumas das opções, porém nunca as utilizei então não posso dizer se valem à pena ou não! Independente disso tudo, o que importa é que você não pode deixar de visitar a terra dos cangurus e dos koalas pelo menos uma vez em sua vida. Tenha certeza que todo esforço para chegar até lá será recompensado assim que você desembarcar da aeronave! É impossível não se apaixonar por este país incrível e cheio de contrastes! Eu não vejo a hora de voltar!!! Quem vem comigo???

Até semana que vem, viajantes! 😉