Você é turista ou viajante? Afinal tem diferença?

Mesquita Azul Istambul Istanbul turquiaEaí caro leitor! Hoje eu chego fazendo perguntas e quero respostas!! 😛  Tu eres um turista, ou um viajante?

Venho escutando de uma galera cool, cult, descolada, hypster, engajada, estilosa, cheia das novas ideias e trends que o LEGAL MESMO é ser um viajante.

A ideia defendida por eles é fugir do guia Lonely Planet, dos pacotes de viagem, hotéis recomendados, fotos da Torre Eiffel ou dos pasteis de Belém quando em Portugal. Dizem que buscar os cantos menos conhecidos, as esquinas pouco exploradas, as ruas diferentes, cair de cabeça nas cidades pouco divulgadas e contar para os amigos quais os melhores restaures e café que ninguém nunca ouviu falar é muito legal e interessante. Aliás, ser um viajante é realmente tudo de bom e conhecer grandes centros urbanos como Nova York, por exemplo, além da Times Square e Estatua da Liberdade é um feito para poucos.

Mas me diga uma coisa: até que ponto é possível ser apenas um viajante e deixar de lado seu perfil de turista?

Parece uma pergunta boba e até meio doida, mas preste atenção a sua volta. Já viu alguém que se intitula “viajante nato” dizer que foi a Roma e não viu o Coliseu? Que uma vez em Londres não quis ver o Big Ben e que quando em Los Angeles fugiu das fotos na Calçada da Fama ou de um “click” no famoso letreiro de Hollywood?

Na boa, eu penso assim: Todo viajante uma vez foi um grande turista – e continua sendo. Afinal, se tantos turista querem subir no bondinho do Pão de Açúcar, tirar fotos com cangurus em Sydney ou visitar o prédio mais alto do mundo em Dubai é porque com certeza algo de legal e divertido também tem por lá. Acredito que todo cantinho desse mundão esconde segredos e momentos que poucos guias, revistas e sites de viagem contam. Porém, porque não criar seu estilo viajante próprio dentro de cada viagem?

Descubra o melhor lugar para um piquenique no Paõ de Açúcar, chame os amigos para eternizar seu abraço com o canguru, procure o melhor ângulo para curtir um por do sol em Roma na companhia de um gelato ou entenda que sentar na grama em Paris com um bom livro na mão e a Torre Eiffel ao fundo pode uma de suas melhores memórias.

Esqueça rótulos e não se preocupe mais em “fugir do clichê” do que curtir sua viagem. O verdadeiro viajante pra mim é o turista que soube eternizar casa segundo daquela viagem – de uma maneira que para ele será sempre ÚNICA. Concordam?

Bjos e abraços carpe diem pra vocês.

Posts Relacionados