Free ou Pago: você precisa fazer um tour por Cuzco e Valle Sagrado no Peru

Pisáq

Hoje era dia de participarmos do Free Tour de Cuzco. O Free Tour é um movimento de universitários europeus que se expandiu para o mundo todo nos últimos anos e hoje chegou ao Peru! Com saídas diárias da Plaza Regocijo, ele se inicia às 12 horas em ponto, e todos os interessados em conhecer mais da cultura local são bem-vindos! Nele você fará degustação de chocolates, conhecerá os principais pontos turísticos de Cuzco e ainda ganhará doses de Pisco Sour (bebida andina à base da fermentação das uvas). Todavia, conseguimos perder o tour, pois saímos as 12:00 horas do hostel (Y). Por ser nosso último dia hábil para, de fato, conhecer a cidade, resolvemos aderir ao tour das redes hoteleiras. Ele sairia as 13:00 horas, e assim, ainda daria tempo!

Nosso guia, o PEPE, o Leandro e Eu!

Como já dizem que há males que vem para bens, tivemos a sorte de pegar um excelente guia, o Pepe! Uma verdadeira figura! Guia turístico há mais de 30 anos e certificado pelo governo peruano. Começamos pela Plaza de Armas, na Catedral de Cusco que surpreende pela grandeza e, principalmente pela dualidade das obras que abriga. Quando os espanhóis chegaram aqui, em 1532, forçaram os Incas a tornarem-se católicos, o que culminou em um catolicismo novo, onde Jesus aparece Negro e com saia – visto que este era o traje tipico dos Incas – algumas cruzes apresentam desenhos de touros e as pinturas caracterizam-se pela crença inca misturada a arte espanhola.

Catedral de Cusco
Pátio da Igreja de Santo Domingo
Igreja de Santo Domingo

Saindo da catedral era hora de ir visitar a Igreja de Santo Domingo, que faz a visita valer – e muito – a pena pelas telas a óleo vindas de Sevilha que encantam pela beleza e magnitude, a arquitetura do lugar também é uma atracão a mais. Recomendo comprar o Boleto Turístico de Cusco que inclui a visita do museu, assim não é necessário comprar a entrada a parte, além de já garantir o acesso a vários outros museus, atracões e sítios arqueológicos!  Fomos caminhando com o grupo, mas saindo de lá, eu e o Cabelo resolvemos parar pra tirar uma foto da praça e da torre, o que até aí é normal, MENOS quando nos demos conta que nem o grupo, nem o guia estava mais lá! Saímos correndo para a rua procurá-los e NADA! Vinte minutos depois nos demos conta de que eles REALMENTE haviam deixado os dois brasileiro para trás! Resolvi, então, antes de mais nada, tomar uma Inca Kola! Isso mesmo, uma bebida peruana fabricada pela coca-cola que consegue ser mais artificial que Fanta de maça! hahaha

Energias recuperadas, tive a idéia de ligar para o telefone atrás do folheto do tour e descobri onde o grupo estava! Tomamos um táxi correndo que nos custou apenas R$ 3,00 e chegamos a segunda parte do passeio: os quatro sítios arqueológicos ao redor de Cusco. São eles: Sacsayhuamán – Falcão Satisfeito em quéchua – fica a apenas dez minutos do centro de Cusco, e é considerado um dos maiores exemplos da arquitetura dos povos pré-colombianos, formado por muralhas de rochas de até cinco metros de altura e 300 toneladas de peso. Lá, todo dia 24 de junho se celebra a Inti Raymi – festa mais grandiosa e turística de Cusco – a Festa do Sol.

Sacsayhuamán

     Quenko – que quer dizer labirinto em quéchua, surpreende não pelo tamanho, mas pela arquitetura e galerias subterrâneas que levam a uma sala de sacrifícios

Quenko

     Tambomachay – lugar de descanso – aqui os aquedutos perfeitos surpreendem os visitantes que apreciam canais, cascatas e uma curiosidade: os Incas criaram duas cascatas secundarias exatamente iguais. Ou seja, colocando duas garrafas vazias em cada cascata, elas enchem ao mesmo tempo. Além disso, a lenda Inca diz que ao beber a água, deve-se fazer um pedido aos deuses. Não perca a chance! 😀

Tambomachay

Pukapukara – A gigante pedra que se levanta sobre o vale de Cusco fica com a cor avermelhada conforme a incidência do Sol. Assim, o nome Pukapukara: Forte Vermelho. Vários recintos, como praças interiores, atalaias, aquedutos e mais entreteem  e intrigam os viajantes.

Pukapukara

Complexo Arqueológico de Tipón – seguindo as lendas Incas, este complexo foi um dos jardins reais que Wiracocha ordenou construir. São 12 terraços flanqueados por muros de pedra polidos e enormes plataformas de cultivo, quedas d´água ornamentais e canais. A construção combina com a flora do lugar e o resultado é uma paisagem maravilhosa!

Tipón

Após o excelente passeio com o melhor guia de Cusco, foi hora de curtir nossa última noite na antiga capital Inca, afinal amanhã era dia de LIMA!!! Última parada da noite: Mushroom Night Club!