Porque você NUNCA vai viajar sozinho Pelo Mundo

Sabe o que muita gente me pergunta? Se viajar sozinho pode ser chato, deprimente ou mesmo triste.
O que eu respondo? Que não existe viagem ruim.

Aliás, cada viagem terá sempre algo bom. Dei risada quando perdi um trem, hoje me divirto quando conto que já pedi dinheiro na estação após ter tudo roubado (durante viagem à Bélgica) e hoje se tivesse que viajar sozinho, garanto que isso não seria um problema.

Uma das coisas que mais me fascinam quando viajo solo é como nos tornamos próximos de viajantes que talvez nunca trocaríamos uma única palavra em nosso próprio país. Mas o que uni tanto esses viajantes que não tem muito em comum? Com certeza a curiosidade pelo inusitado, a falta de medo que o viajante cria e a vontade de conhecer o novo e o diferente que é muito maior que a dúvida do erro.
Foi assim que em 2011, na minha primeira viagem a Roma, resolvi experimentar o Couchsurfing. Muita gente me achou louco, mas foi a melhor viagem que já fiz sozinho! Meus tios e primos estavam passeando pela cidade, assim como alguns amigos que encontrei no decorrer da aventura. No entanto, o que mais me surpreendeu foi que durante uma semana vivi como um italiano. Fui recebido por nativo de Roma no aeroporto, conheci seus amigos, aprendi frases doidas em italiano e descobri a verdadeira Itália.
Consegui fugir dos restaurantes turísticos e das pegadinhas aos gringos e descobrir que além do Coliseu havia muito mais por lá. Sendo assim, não me arrependo, tanto que fiz um mochilão pelos Bálcãs apenas utilizando o Couchsurfing e acredite se quiser, fiz amigos pra uma vida toda!

Outra ferramente muito bacana, porém pouco divulgada, é o EatWith com a ideia do viajante nunca comer sozinho. No site você encontra de opções de brunch a jantares com locais e gringos do mundo todo. Que tal comer uma paella na Espanha na casa de um Espanhol? Ou após jantar em Londres fazer um autêntico pub crawl com os amigos que conheceu por lá?

Não importa o seu destino. Quando se viaja sozinho, o que de fato importa é se você está disposto a ganhar e ceder culturalmente. E aí sim, aí vemos como uma viagem pode mudar uma vida e criar vínculos nos mais diversos cantos do mundo.

Posts Relacionados

  • Sou suspeito nisso de viajar sozinho. Adoro conhecer gente que por algum acaso do destino esbarrou comigo em algum lugar do mundo. Fora que faço meus horários e roteiro como quiser!!

    Sobre o couchsurfing, eatwith e outras ferramentas desse tipo…sensacional. Todos deveriam pelo menos provar para saber como é!!!

    Valeu man, Abração